Arte encontra ciência em análise de estátua de cavalo dançante

Arte encontra ciência em análise de estátua de cavalo dançante

Um velho de 1.300 anos escultura de um cavalo dançante – uma preciosa relíquia da dinastia Tang da China – captou uma antiga tradição de cavalos treinados se apresentando para imperadores.

Mas os curadores do Museu de Arte de Cincinnati não ficaram encantados com uma das características animadas da estátua do século VIII: uma borla na testa que eles suspeitavam não ser original.

Como investigar sem prejudicar a preciosa arte?

Cientistas se juntaram para ajudar a descobrir isso.

Os mosaicos de pedra do artista são homenagens em tamanho real ao anatomista renascentista

Técnicas analíticas de ponta ajudaram a resolver o mistério – e revelaram mais sobre a história do objeto.

Para obter respostas, os conservadores tiveram que consentir em abrir mão de partes da arte insubstituível de 26 polegadas em nome da ciência. Uma equipe internacional de pesquisadores analisou 11 pequenas amostras perfuradas que pesavam apenas alguns miligramas por peça. Retiradas de diferentes locais no cavalo de terracota, as amostras foram submetidas a uma bateria de diferentes testes.

Ao analisar tudo, desde a química das amostras até sua composição molecular, os cientistas aproveitaram ao máximo as pequenas pilhas de pó.

Uma técnica, a difração de raios X em pó, estuda como um raio X se comporta quando é direcionado a um mineral ou outra substância que foi moída em pó. Diferentes materiais dobram os raios de diferentes maneiras, e a técnica pode ajudar a identificar misturas de substâncias ou até mesmo a composição de amostras muito pequenas.

Outras técnicas incluíram a espectroscopia Raman, que analisa como a luz de um feixe de laser se espalha quando atinge a amostra.

Os pesquisadores descrevem seus investigação na revista Heritage Science.

A borla não era feita de terracota, os cientistas descobriram – era gesso colado com cola animal. Outras borlas nas selas do cavalo revelaram evidências de múltiplos reparos ao longo das gerações.

Por fim, descobrir que a borla não era original levou o museu a removê-la.

O estudo ajudará os conservadores a decidir melhor como manter o cavalo em boa forma. Em uma notícia liberarPietro Strobbia, professor assistente de química da Universidade de Cincinnati que liderou a pesquisa, diz que continuará analisando objetos para museus em todo o Centro-Oeste.

A estátua restaurada e outras representações de cavalos ao longo da longa história da China estarão em tela no início do museu outubro 7.